STBNETSTBNET

porque somos pentecostais

O pentecostalismo, nome que levamos em nossa identificação cristã além da evangélica, se dá primeiramente por ser uma promessa de Deus profetizada por Joel (2.28,29), confirmada por João Batista (Mt 3.11) e ratificada por Jesus (Lc 24.49; At 1.4) até o dia da manifestação em si:

At 2.1. Cumprindo-se o dia de Pentecoste, estavam todos reunidos no mesmo lugar
2.2. de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados.
3. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles.
4. E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.

A nomenclatura, pentecostal, se dá pelo fato de o Espírito Santo descer na inauguração da igreja, no dia de Pentecoste (festa judaica que comemorava os cinquenta dias de colheita). Portanto, ser pentecostal é identificar-se com a experiência que veio aos seguidores de Cristo naquele dia, no ajuntamento em Jerusalém quando, as cento e vinte pessoas reunidas, aguardavam tal visitação da parte de Deus.

Essa experiência sobrenatural é evidenciada, geralmente, com a manifestação ininteligível de uma linguagem chamada pelo apóstolo Paulo de “línguas estranhas” ou “fala de mistérios” (I Co 14.2). A teologia denomina tal efeito de glossolália, termo que deriva do grego glossa (língua) e lalia (falar) visando a edificação como finalidade (I Co 14.4). Ou, ainda, dentro da regra, quando ocorre a manifestação inteligível, como no caso do dia de Pentecoste, em que os batizados falam línguas idiomáticas dos povos que visitavam Jerusalém por ocasião da Páscoa (At 2.5-11). Frederich D. Bruner resume dizendo que é “expressão vocal inspirada pelo Espírito1”.

Importante salientar que essa experiência vai além da imersão no corpo de Cristo (I Co 12.13), momento em que há conversão-regeneração (aspecto soteriológico); e também além da imersão no batismo nas águas (Mt 28.19) que é o testemunho público da fé internalizada (aspecto dogmático). Por isso, todo cristão é batizado (pelo Espírito Santo) em Cristo, mas nem todo cristão é batizado (por Cristo) no Espírito (aspecto pneumatológico), conforme as passagens em Atos (8.15-17 / 10.44-46 / 19.4-6).

O que muitos estranham nessa doutrina é que o apóstolo e teólogo Paulo não se aprofunda em seus comentários ao falar do selo do Espírito na conversão (Ef 1.13) e do enchimento no cotidiano (Ef 5.18), deixando de lado a experiência do batismo com o Espírito Santo em si, como faz Lucas, numa visão histórica, ao escrever Atos dos Apóstolos2.

Tal batismo torna o homem pleno e cheio da terceira pessoa da trindade, o que significa que o controle total é d’Ele, em função da pessoalidade-intimidade que Ele causa. Por isso, são estas as premissas que antecedem tal imersão: encarnação dos frutos do Espírito; arrependimento na busca de santidade; obediência à palavra de Deus; desejo diligente de revestimento para o serviço. Em suma, é poder para testemunhar com ousadia o que Deus é e faz (At 1.8), de forma proclamadora (Mc 16.15) e também quanto discipuladora (Mt 28.19,20).

Surge, então, o caráter profético da comunidade de Cristo (igreja), tanto para a efetivação da tarefa evangelística e missionária (I Co 14.22), quanto para a edificação e revelação sobre aspectos pessoais do indivíduo em si (I Co 14.24,25). Por isso, a igreja que dá vazão para tal manifestação, incentivando tais experiências, é alvo das facetas do Espírito Santo com suas atuações sobrenaturais (fogo, vento, óleo, pomba).

Batismo com Espírito Santo não deve se resumir ao exibicionismo personalista de líderes para propagandas de shows pentecostais. Deve, sim, ser o pedido de cada coração desejoso de transformação pessoal, entre outras coisas, e causando uma espiritualidade legítima por meio do fervor da busca diligente, que colocará à disposição de Deus todo crente para qualquer serviço3.

Esse é o propósito do batismo com o Espírito Santo, logo, o pentecostalismo.

Pr Sérgio Mascarenhas


1. BRUNER, Frederick D.; Teologia do Espírito Santo. São Paulo, Ed. Vida Nova, 1989.
2. MENZIES, William W.;MENZIES, Robert P. No Poder do Espírito: fundamentos da experiência pentecostal, um chamado ao diálogo. São Paulo: Ed. Vida, 2002.
3. FÁBIO, C.; Avivamento Total, www.semeadoresdapalavra.queroumforum.com

 

Voltar »